A lógica da persuasão entre antropologia e retórica

, Author

Universidade de Palermo, 19-20 de Abril de 2018

Polo Didattico, Edifício 12, Sala de Seminários A e Sala Multimédia A

Neste colóquio pretendemos estudar a lógica da persuasão de uma perspectiva antropológica e retórica, trocando conhecimentos e pontos de vista. Embora a retórica e a antropologia sejam historicamente definidas de múltiplas formas, partilham um pressuposto comum a partir do qual se pode iniciar uma discussão frutuosa: chegar aos indivíduos utilizando mensagens eficazes e persuasivas. Qual é o valor particular destas mensagens hoje em dia, e de que forma são consideradas na retórica e/ou antropologia, bem como nas outras ciências sociais? Mais especificamente, de que forma é que a antropologia, bem como outras ciências sociais, utilizam procedimentos retóricos para serem mais eficazes? E de que forma é que a retórica vem a ser – ou poderia ser – concebida numa perspectiva transcultural? O que se entende, finalmente, por retórica eficaz? É possível, afinal, fazer uma antropologia da retórica e/ou uma retórica da antropologia? Para este fim, identificámos, puramente como guia, quatro secções onde os oradores poderiam interagir trocando perspectivas e perguntas.

I. O poder da fala e/ou imagem em contextos ordinários e/ou extraordinários

O poder da fala permeia as culturas tanto em contextos ordinários como extraordinários. O estudo do poder da fala nos seus vários contextos é uma prioridade para a antropologia e a retórica. Os antropólogos e especialistas em retórica precisam de prestar contas e definir este poder de discurso através de análises específicas. Nesta secção, podemos situar a investigação sobre retórica clássica e moderna, bem como sobre culturas orais e escritas onde a fala adquire um poder e eficácia particulares. Nesta secção, podemos inserir questões relativas à agentividade, à contextualização da fala eficaz, à combinação persuasiva de sinais icónicos e linguísticos. De que forma é que a fala adquire poder agentivo? De que forma é que a fala se torna eficaz em vários contextos? Que lugar têm a memória, os gestos e as diferentes formas de texto na comunicação eficaz? Que combinações de imagens e fala são mais eficazes na vida quotidiana?

II. Os usos da retórica na sua dimensão intercultural

Nesta secção, serão consideradas estratégias retóricas utilizadas para debater questões culturalmente relevantes (colonialismo, escravatura, globalização, direitos, activismo, nativismos, etc.). Muitos debates e estudos (políticos, media, etc.) utilizam princípios retóricos, implícitos ou explícitos, para abordar questões de relevância cultural e intercultural. Que concepções de retórica e que estratégias comunicativas podem ser identificadas nestes debates e estudos? De que forma convergem várias retóricas, implícitas e explícitas, para abordar tópicos particulares? Existem regras definidas para apoiar eficazmente diferentes pontos de vista?

III. Retórica em Etnografia

Esta secção preocupa-se com o estudo das formas como determinadas etnografias apresentam uma “outra cultura” através do uso de estratégias eficazes. Necessariamente, para serem credíveis, as etnografias precisam, de facto, de algum grau de eficácia. Muitos antropólogos e sociólogos, nas suas pesquisas de campo, intencionalmente ou não, recorrem a uma “função retórica” a fim de descrever uma cultura. Eficácia e persuasão andam muitas vezes de mãos dadas com um certo estilo enunciativo. Que estratégias e estilos enunciativos são utilizados? Como, finalmente, o conhecimento e a persuasão são combinados numa cultura ou noutra.

IV. Controvérsias antropológicas

Um campo fértil a ser explorado de uma perspectiva interdisciplinar diz respeito a antigas e novas controvérsias antropológicas, disputadas por “movimentos retóricos” por antropólogos pertencentes a diferentes correntes teóricas (Mead/Freeman, Sahlins/Obeyesekere, Chagnon/Tierney, etc.). Mais especificamente, como é que estas controvérsias antropológicas são combatidas? Em que medida é possível utilizar estratégias retóricas específicas nestas controvérsias? Que lugar ocupa a escolha de um tipo de narrativa ou o outro para fins retóricos?

Como indicação, propomos temas:

  • Retórica e Pragmática
  • Debates Retóricos e Interculturais
  • Ethnografia e retórica
  • Gestão e resolução de controvérsias
  • Narrativa e argumentação
  • Reórica e existência
  • Retórica clássica e Retóricas modernas
  • Pós-modernismos e Retóricas

    As Formas de Manipulação

    Li>Knowledge e Persuasão

    Li>Regras de Persuasão

  • Definições de cultura e estratégias retóricas
  • Reórica e subjectividade
  • Modelos de comunicação retórica
  • Etc.

Modalidades de participação

Stefano Montes ([email protected]) e Alessandro Prato ([email protected])

Deadline para apresentação de propostas: 25 de Março de 2018

  • Sumário da proposta: 250-300 palavras
  • Línguas de trabalho: italiano, francês e inglês
  • Comprimento dos trabalhos: 20 minutos
  • A participação no simpósio é gratuita

    li>Despesas de viagem e alojamento, assim como as refeições são à custa dos oradores

Organização científica

  • Stefano Montes e Alessandro Prato

Organização administrativa

Departamento de Culturas e Sociedades

Universidade de Palermo

Viale delle Scienze, 90128, Palermo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *