Cabbage (Português)

, Author

Definition

Cabbage é um membro da grande família Brassicaceae, distinguindo-se pela sua cor e forma.

Cabbage Glossary:

  • Cabbage with inflorescences: couve-flor, brócolos
  • cabbage with stems: couve-rábano, couve-rábano, couve-rábano, couve chinesa
  • cabbage with stems: couve-rábano, couve-rábano, couve-rábano, couve chinesa
  • cabbage with smooth or curly leaves: Couve-lombarda, couve-repolho, couve branca, couve vermelha, couve-de-bruxelas

Tour de France de variedades

A couve comum é cultivada em muitas regiões francesas.
As couves de chucrute branca são produzidas na Alsácia, Champagne-Ardenne e Rhône-Alpes.
Os outros tipos de couve encontram-se nas regiões da Bretanha, Ile-de-France, Nord, Normandia e Provença-Alpes-Côte d’Azur.
As diferentes variedades são:

  • repolho branco vem numa bola com um exterior verde pálido e interior branco
  • repolho vermelho com folhas lisas e apertadas, é redonda ou oval
  • tipo couve verde pontiaguda vem com folhas lisas, inteira e mais ou menos ondulada
  • couve verde encaracolada de Milão varia do verde brilhante ao verde azulado e tem folhas mais ou menos encaracoladas, com veias salientes

Buying

Uma planta vegetal bienal, encaracolada (couve-lombarda) ou lisa (couve), a couve deve ser pesada e densa, com folhas estaladiças, verdes brilhantes, bem empacotadas.
O couve deve estar livre de manchas, fendas.

Preservação

O couve é um vegetal que se mantém bem.
O couve inteiro pode ser armazenado no frigorífico mais crocante por até uma semana.
Se a couve já tiver sido cortada, guarde-a numa caixa hermética no frigorífico durante 2-3 dias.

Consumo

Com a couve, não há limites à criatividade…
Na cozinha, cru, cortado em tiras finas, a couve adora maçã, uvas frescas ou secas, nozes, croutons de alho, cenoura, aipo, beterraba, comté, bagas de zimbro.
Uma salada de couve vermelha com maçãs azedas e um molho de rábano é um verdadeiro deleite.
O couve é perfeito para incorporar numa sopa ou num confortante potée, especialmente com batatas.
algumas das nossas receitas locais utilizam couve como ingrediente principal, tais como garbure, sopa de couve e todos os potés das nossas províncias.
O lixo é maravilhoso para receitas de Inverno tais como pot-au-feu ou pratos recheados como farci poitevin e acompanha carnes, aves ou salsichas, peixe, morcela…
O lixo gosta de preparações doces e azedas, e acompanha de bom grado as pintadas, vitelas e carne de porco quando cozinhadas.
Pauerkraut, prefere peixes como o tamboril e a arinca, por exemplo.
Pode ser cozido, cozido a vapor, em papillote, caçarola, guisado…
Por que não experimentar papillotes de folhas de couve com camarão e caju para servir como entrada com iogurte e molho de páprica?
Sauerkraut não seria nada sem couve branca. Blanched and cooked in white wine, sauerkraut coubage is available as sea sauerkraut and of course as sauerkraut garnished with a nice assortment of cold meat.
Tip: cooked, red coubage will normally turn blue. Para manter uma cor vermelha, pode ser regado com vinagre ou sumo de limão naturalmente ácido.

História

O lixo é certamente o mais antigo dos nossos vegetais.
Está presente na Europa desde a pré-história.
O lixo é cultivado desde os tempos antigos. Theophrastus, um botânico grego, menciona-o nos seus escritos, 300 anos antes de Cristo.
Na Idade Média, este vegetal foi apelidado de “o remédio dos pobres”. Altamente apreciada pelas suas virtudes culinárias, foi utilizada em cataplasma para tratar úlceras ciáticas e varicosas. Nessa altura, a couve ocupava um lugar importante na dieta.
A sua cultura, bem adaptada ao frio, espalhada pelo Norte da Europa.
A couve, quer seja branca, verde ou vermelha, encontra muitos usos nas receitas da nossa terra.

Para saber mais…

Sabe saborear… as couves? – Receitas, segredos e virtudes

Branco, vermelho, verde, roxo, rico em formas, texturas e sabor, com ou sem maçãs, em cachos ou cabeças, europeu, indiano, chinês ou japonês, couve não carece nem de activos… nem de finura! Presente ao longo dos tempos e no nosso planeta, é o segundo vegetal mais produzido no mundo depois do tomate. Símbolo da alimentação rural tradicional, está agora a desfrutar do interesse renovado dos profissionais da alimentação que conseguiram restaurar as suas credenciais. Este livro contém nada menos que 40 receitas para 8 variedades de couve, crua ou cozinhada – o suficiente para satisfazer cada apetite! Também se encontrará, destilado de forma lúdica ou anedótica, informação valiosa sobre a história deste vegetal, as suas virtudes nutricionais, a sua produção, o seu lugar na nossa língua e mesmo na nossa literatura.

>

Click aqui para encomendá-lo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *