Centro Concorde de Convalescença os funcionários querem tranquilizar

, Author

p>Conhecendo que o modelo hospital-em-hotel não é “perfeito”, um grupo de 23 funcionários do Centro Concorde de Convalescença (CDC) vieram a público para assegurar que as instalações permitem cuidados seguros.

– Leia também: COVID-19: condições dolorosas no Centro de Convalescença do Concorde

Na quarta-feira passada, The Journal retransmitiu as denúncias do pessoal de atendimento no Centro de Convalescença dedicado à COVID-19 na Grande Allée.

Os empregados denunciavam condições que os expunham a um elevado risco de contaminação, bem como a sobrecarga de trabalho que mergulha muitos pacientes em condições desumanas.

Numa carta entregue na sexta-feira pelo CIUSSS ao Jornal, 23 empregados, enfermeiros especializados, farmacêuticos e médicos, dizem observar “equipas dedicadas e pacientes bem tratados apesar do contexto muito particular”.

Repercussões, dizem

Os signatários da carta receiam repercussões negativas nas famílias dos pacientes que permanecem no centro de convalescença. As famílias poderiam tornar-se “desnecessariamente” preocupadas com os cuidados prestados, dizem elas.

“Também lamentamos o possível impacto na carga de trabalho e no moral do pessoal que já está a trabalhar arduamente lá”, a carta também declara.

Constantemente adaptando-se

Os funcionários revelam que enfrentam uma multiplicidade de problemas aos quais os funcionários se estão continuamente a adaptar.

Entre as questões, a carta menciona a chegada constante de novos funcionários como apoio, a admissão simultânea de vários utilizadores após um surto, as emoções vividas durante as mortes causadas pela COVID-19.

“Desde o início, a segurança e a qualidade dos nossos cuidados têm sido as nossas principais prioridades. Hoje, afirmamos a nossa confiança no modelo do Centro de Convalescença e saudamos o trabalho de todos e a colaboração das equipas”, disseram os signatários.

O Centro de Convalescença da Grande Allée foi aberto a 16 de Abril de 2020, para pessoas com COVID-19 ou suspeitas de COVID-19 que não conseguem isolar-se no seu ambiente de vida.

O Centro retomou as suas actividades em Outubro passado, com a chegada da segunda vaga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *